Sucesso é algo que você atrai pela pessoa em que se transforma.

Transformação talvez seja a palavra chave para entender o que o Neurocoaching possibilita. Uma transformação interna de algo que sempre esteve ali dentro e só precisava de um direcionamento para exteriorizar e ajudar a realizar sonhos. Direcionamento esse baseado em ciência, estudos, observação e práticas de ferramentas específicas para o desenvolvimento direcionado de cada pessoa.

 

Fundamental para esse processo de transformação é a mente. Mas o que é a mente? Existe uma definição exata para ela?

 

A mente modela toda a nossa vida, ou seja, é responsável por tudo o que pensamos e sentimos. Tudo o que acreditamos e não acreditamos, tudo o que buscamos e não buscamos, tudo o que entendemos de nós mesmos. Profundo, né? Mais profundo ainda quando entendemos o papel de todo o sistema neural nesse assunto. Cérebro, nossa máquina de pensamentos. Neurônios, nossos “palitos de fósforos” e condutores de nossas ideias e sensações. Sinapses, nossas conexões gerando trajetos que sempre resultam em uma resposta positiva ou não tão positiva assim. Tudo depende também dos neurotransmissores envolvidos nesse processo.

 

Mas o que eu quero dizer com tudo isso? Imaginem o seguinte: Se esses “palitos de fósforo” se acendem e se comunicam sempre da mesma maneira, gerando sempre as mesmas conexões entre eles e, com isso, os mesmos resultados... Esses resultados podem ser satisfatórios ou não satisfatórios. Você é satisfeito em todas as áreas da vida? Qual o seu nível de satisfação em relação ao seu lazer? E ao seu lado profissional? E em seu relacionamento amoroso? E com sua família? Caso haja algum grau de insatisfação em algum deles ou mesmo em outros pontos, o resultado precisa ser diferente. O que fazer para isso? A resposta está na mente e na nossa estrutura neural: Criar conexões diferentes! Esse processo resulta em tantas mudanças que não somos capazes de imaginá-las, de tamanha infinidade! Aprender coisas novas é um exemplo de criar conexões diferentes entre nossos neurônios, podendo ser novas habilidades, novos conhecimentos. Essa capacidade de novos trajetos envolvendo aprendizagem é o que chamamos de plasticidade neural.

 

Essa magia que envolve nossa mente pode proporcionar tantas mudanças positivas, e é justamente aí que o neurocoaching atua: estabelecendo novas sinapses, novos trajetos, novas conexões – cujas ferramentas são as mesmas, sempre estiveram ali presente em nosso cérebro, mas sozinhos não fomos ou somos capazes de perceber e agir. O Neurocoaching é transformador, como citado no inicio do texto, por esse motivo. Transformação de crenças, tão presentes em nossas vidas, formadas ao longo de nossa criação. Nem sempre todas são boas, por este motivo que as crenças que geram resultados insatisfatórios podem e devem ser refletidas e alteradas para um resultado satisfatório.

 

Essas transformações exigem a saída do que chamamos de “zona de conforto”. Imagine que seria a situação de um bebê dentro do útero de sua mãe, bem alimentado, quentinho, acolhido. E de repente, no trabalho de parto, toda sua situação muda drasticamente. Este pode ser o maior exemplo sobre sair da zona de conforto, fazendo com que esses novos trajetos sejam criados em nosso sistema neural.

 

Uma forma de refletirmos e questionarmos nossa situação atual na intenção de sairmos da zona de conforto é através de uma ferramenta chamada “PIN”. O que são PIN’s? São por definição Perguntas Impactantes de Neurocoaching. Essas perguntas auxiliam a buscar respostas que pensamos não saber, mas que existem. Auxiliam na reflexão sobre as experiências já vividas e os resultados alcançados até o momento. São conhecidas também como “pontos de luz”, tamanha sua força de transformação na vida das pessoas, em busca de clareza nas respostas. Essa pode-se dizer que é a principal ferramenta do Neurocoaching.

 

Sabe-se então a necessidade de sair da zona de conforto e estabelecer novas conexões para que as transformações apareçam. Quando digo transformações, estas podem ser grandes, pequenas, minúsculas... Quem define isso somos cada um de nós, cada nível de satisfação/insatisfação, cada caso particular. Por isso o Neurocoaching é individualizado e personalizado. Mas não deixam de serem transformações! Não deixam de ser uma jornada entre o estado atual e o estado desejado. E é nesse processo que agimos!

 

Sabendo disso, o Neurocoaching se baseia em um método estruturado em 7 etapas para direcionar seu processo de mudança. Este é o método ORIENTA. Ouvir, Reportar, Inspirar, Entrepor, Navegar, Trabalhar, Avaliar. Só quem já vivenciou uma sessão de neurocoaching sabe o poder que essa estrutura permite atingir em nossas vidas.